domingo, 31 de outubro de 2010

Centro Histórico Judaico de Faro promove “rota de casas e negócios” da comunidade

Com início no Museum Sinagoga Isaac Bitton, no interior do cemitério judaico, único vestígio restante da primeira presença judaica em Portugal após de inquisição, a rota pedestre percorre os locais onde viveram os judeus na cidade. O passeio será traduzido em português, inglês e ou francês.

A iniciativa pretende valorizar a história das famílias enterradas no cemitério judaico há 170 anos, mostrando onde estavam localizadas as residências e os negócios da comunidade de 60 famílias localmente conhecida como ''A pequena Jerusalém''.

De acordo com investigações realizadas pelo centro e documentadas em vídeo, a exibir no início do percurso, é possível datar a presença de judeus em Faro desde o tempo dos Romanos e, após a sua expulsão no período da inquisição da igreja católica, o retorno à cidade dos seus descendentes, já no séc. XIX.

No sentido proporcionar um passeio organizado foi elaborado um mapa, identificando as famílias e os locais que poderão ser visitados , num percurso que terá a duração de cerca de 2h45minutos, agendado para o próximo mês de Novembro.

As incrições poderão ser realizadas telefone: 289829525.
(Noticia: Observatório do Algarve)

“Semana dos Artistas” mantém aposta nos talentos emergentes

Este ano é a banda “Pinto Ferreira”, mas já foram os “Virgem Suta”, hoje no circuito nacional da música. A 9ª Semana dos Artistas promete artes várias, cinema e música em vários tons, tertúlia e contadores de histórias. A ver, doc “Ilha” sobre a praia de Faro.

Pedro Bartiloti, responsável da programação da Semana dos Artistas diz que a “Pinto Ferreira”, banda que é cabeça de cartaz desta edição, e actua no sábado, dia 6, vai saltar para a ribalta, como algumas outras que tocaram no palco d’Os Artistas. Um exemplo? “Os Virgem Suta” que fecharam a semana de 2009.

É já dia 1 de Novembro, segunda feira, que arranca o programa, com a exibição do documentário “Ilha”sobre a praia de Faro, da autoria de Mauro Amaral e Carlos Fraga e a inauguração da mostra da Associação Livre dos Fotógrafos do Algarve (ALFA) num trabalho realizado nos bastidores da Orquestra do Algarve (AO).

A exposição “Cromáticas” acumula com a interpretação de “duos para Violino” de Jpleyel, interpretado por um grupo de música da câmara da AO.

Terça feira, 2 de Novembro é dia de jazz e blues, com a sessão “Bluesmente Falando” numa parceria com os animadores da antena da RUA FM que vão transmitir em directo os respectivos programas: Fausto Roxo com o “Aqui há Jazz” e Hernâni Nascimento e João Godinho à frente do “Bluesmente Falando.

As músicas do Mundo em Sines é o tema do documentário de Carlos Nobe e da tertúlia agendada para quarta feira, em que o director do festival de world música mais cotado do país vai estar presente. Carlos Seixas há-de trazer ideias e provavelmente sons, para as enquadrar.

Os cartoons do Terminal Studios, com ilustrações e caricaturas a serem realizados ao vivo pelos desenhadores. Se quiser a sua carinha laroca no papel, esta é uma boa noite para ir aos Artistas.

A ideia é, segundo Bartiloti, “fazer desta sessão de criatividade ao vivo um documentário” estando a decorrer conversações com uma equipa de filmagem.

O cinema vai aos Artistas na quinta feira, com a exibição das curtas realizadas por estudantes da Universidade do Algarve. Na tela estarão “Homem da Terra” de Nuno Fernandes e António Guerreiro e “Volant” de Nuno Fernandes e “Animação para acompanhamento musical” de Pedro Santos.
(Noticia: Observatório do Algarve)

Ryanair voa de Faro para Londres/Gatwick, EasyJet para Belfast

A companhia aérea de baixo custo Ryanair começa amanhã, domingo, dia 31, a voar do Aeroporto de Faro para o de Londres/Gatwick.

Durante a época de Inverno, que começa hoje, a EasyJet passa também a voar, duas vezes por semana (às terças e sábados), entre Faro e Belfast.

A ligação da Ryanair entre o Faro e Gatwick ocorrerá quatro vezes por semana.
(Noticia: barlavento)

Saneamento ou Reequilíbrio Financeiro

«Fazer o "saneamento financeiro" da Câmara de Faro, criar uma "carta estratégica" para os próximos 10 anos e dar casas aos habitantes com barracas nas ilhas da Ria Formosa são propostas de Macário Correia para a capital algarvia.»
Macário Correia, in barlavento (16 de Fevereiro de 2009)

Outubro 2009 - Outubro 2010

sábado, 30 de outubro de 2010

Câmara de Faro abriu concurso para as 1030 camas dos dois Núcleos de Desenvolvimento Turístico

«A Câmara de Faro já abriu os concursos dos Núcleos de Desenvolvimento Turístico do concelho. As propostas para as 1030 camas deverão ser formalizadas pelas empresas e grupos concorrentes nos próximos 90 dias.

Estão a concurso 515 camas do NDT Litoral, que compreende o perímetro territorial da freguesia do Montenegro, e mais 515 do NDT Barrocal/ Campina, que abarca as freguesias de Estoi, Santa Bárbara de Nexe e Conceição.

Segundo a Câmara, os concorrentes, nas suas propostas, “deverão promover o reforço das valências do local, a compatibilização com os valores ambientais e patrimoniais, bem como as relações com o turismo cultural da cidade e do núcleo de Estói”.

Deverão também, em função da freguesia respetiva, “promover diferentes produtos turísticos”: na freguesia da Conceição, a relação com a Campina de Faro; em Estoi, a componente cultural de Milreu e o centro histórico da aldeia; em Santa Bárbara de Nexe, a relação com a paisagem e o quadro panorâmico existente; e na freguesia de Montenegro, a Ria Formosa, o turismo de natureza e o turismo de investigação.

“A consecução dos núcleos turísticos propostos constituirá um indispensável instrumento de afirmação turística do concelho, e emerge como um vetor estratégico de relançamento económico, promoção de emprego, criação de riqueza e reconversão da base económica local a um vasto horizonte de oportunidades que se avizinham”, sublinha a autarquia de Faro em nota de imprensa.

“O concelho tem que se afirmar e por cobro à escassez de unidades hoteleiras aqui sediadas”, salienta ainda.

A Câmara acrescenta que o seu objetivo neste âmbito é “harmonizar as assimetrias de oportunidades entre a área urbana e o espaço rural, favorecendo a implantação de unidades hoteleiras e conexas que primem pela qualidade, qualifiquem a oferta turística e originem um efeito multiplicador que se reproduza por todo o concelho”.

”É um passo no presente, a pensar no ordenamento territorial e nos sustentáculos estratégicos de desenvolvimento futuro que o progresso do concelho deve e vai acompanhar”, diz também a autarquia.

A Câmara aguarda, agora, as propostas de grupos empresariais que desejem concorrer, apresentando projetos de investimento para as zonas e que poderão consultar as peças processuais em www.cm-faro.pt ou, presencialmente, solicitar esclarecimentos aos serviços da autarquia.»
(Noticia: barlavento)

As 1030 camas turisticas para Faro foram fruto da negociação encetada pelo anterior Executivo da Câmara de Faro com a CCDRA aquando da elaboração do novo PROTAL.

Na altura José Apolinário tencionava colocar a concurso a totalidade das camas para um projecto no interior do Concelho de Faro - Santa Bárbara de Nexe, Estoi ou Conceição de Faro, exigindo como condição necessária que as propostas incluissem a construção de um campo de golfe (18 buracos).

Esta condição [construção de um campo de golfe (18 buracos)] parece ter caido com a actual Câmara o que, a confirmar-se, é um erro de planeamento estratégico.

Resta esperar que apareçam investidores, verdadeiramente interessados, com capacidade de realizar novos investimento, isto é, que estas camas não sejam usadas para alavancar projectos já aprovados cujos proprietários os mantiveram congelados no papel à espera de realizar mais valias. 

Faro: Fábrica de transformação de alfarroba encerrou e deslocaliza-se para Espanha

A fábrica dinamarquesa de transformação de alfarroba, a «Danisco», com sede em Faro, encerrou ontem as portas e deslocaliza-se para Valência (Espanha), levando toda a estrutura produtiva, revela o Diário Digital.

"Portugal perde uma unidade industrial líder mundial de produção de hidrocoloides de alfarroba, vulgarmente conhecido pelo E 410, um espessante para adicionar, por exemplo, à comida dos bebés", lamenta, desanimado, Manuel Caetano, conhecido no Algarve como "mister Alfarroba", pela sua ligação ao setor.

Manuel Caetano, com 73 anos de idade, começou aos 18 anos a trabalhar na Indal Indústria de Alfarroba, uma unidade que foi adquirida em 1952 por dinamarqueses e passou a chamar-se Danisco.
(Noticia: barlavento)

Câmara de Faro reduz em 40% a iluminação de Natal

A iluminação de Natal no concelho de Faro, que só será ligada a 22 de Novembro, sofreu um corte de 40% este ano, anunciou a Câmara local.

Este ano, “em face da crise financeira que assola a autarquia bem como do quadro recessivo que se impõe ao país, tomou-se a decisão de apertar em cerca de 40% os custos desta operação relativamente ao ano anterior”, revelou a Câmara em nota de imprensa.

“Não serão gastos mais de 70.000 euros” em iluminação de Natal, acrescentou ainda a autarquia.

A Câmara de Faro considera que “este montante é o estritamente necessário para celebrar condignamente a quadra e engalanar as principais artérias comerciais da cidade”.

“As sedes das freguesias rurais terão também um apontamento simbólico alusivo à ocasião”.

Apesar das restrições, mais uma vez, a exemplo de anos anteriores, será celebrado um protocolo com a ACRAL, instituição que ficará responsável pela instalação, manutenção e funcionamento da iluminação de Natal.
(Noticia: barlavento)

Saneamento ou Reequilíbrio Financeiro


«As transferências para as Juntas de Freguesia e para as Associações do Concelho vão passar a ter uma política de atribuição de subsídios “muito mais restritiva”, propondo o plano “uma redução gradual da despesa, até 2013, de 25 por cento” da média dos últimos três anos»

Carlos Filipe Camelo, Câmara Municipal de Seia

Outubro de 2009 - Outubro de 2010

Jamila Madeira integra grupo socialista para revisão da Constituição


A deputada algarvia Jamila Madeira tomou hoje posse como membro efetivo na Comissão Eventual para a Revisão Constitucional. Regionalização é um dos temas em discussão.

Recorde-se que o PS pretende manter a obrigatoriedade de referendo para a regionalização, ao contrário do PSD que se mostra disponível para alterar este item.

Jamila Madeira, eleita pelo círculo eleitoral do Algarve, junta-se assim a Vitalino Canas, Ricardo Rodrigues, Osvaldo Castro, Ana Catarina Mendes, Filipe Neto Brandão, Isabel Oneto, Marques Júnior, Maria Manuela Augusto, Eduardo Cabrita, Luís Pita Ameixa, Manuel Seabra, no leque de doze deputados socialistas indicados para esta Comissão.
(Noticia: Observatório do Algarve)

Presidenciais: Pimpão diz ser mandatário de Cavaco Silva no Algarve “por opção pessoal”

“Não falei com ninguém, senão com a minha mulher e é uma opção pessoal, fundamentada na avaliação do perfil do candidato e da situação do país”, disse o ex-reitor da UAlg e ex-secretário de Estado de Guterres, o mandatário no Algarve de Cavaco Silva.

Em declarações ao Observatório do Algarve Adriano Pimpão alegou “razões do foro estritamente pessoal” para a sua decisão de aceitar o cargo de mandatário para o distrito de Faro da candidatura de Cavaco Silva.

O economista foi presidente do Conselho de Reitores das Universidades Portuguesas (CRUP) por dois mandatos, secretário de Estado do Desenvolvimento Regional nos governos de António Guterres e reitor da Universidade do Algarve, na qual continua a ser catedrático da Faculdade de Economia.

“Conheço o professor Cavaco Silva desde os 18 anos, e portanto há mais de 40 anos. Considero que nesta eleição (presidenciais) conta muito o perfil dos candidatos e considero que o país precisa de liderança credível”, refere Adriano Pimpão.

Em sua opinião, “os três candidatos, já que não conheço bem o candidato proposto pelo PCP (Francisco Lopes), dignificam a posição a que concorrem”, acrescenta ainda o professor universitário, para quem “é uma questão de mérito” apoiar a candidatura de Cavaco Silva.

Adriano Pimpão foi condecorado com a Ordem do Infante D. Henrique (Grande Oficial no Dia de Portugal, Camões e das Comunidades Portuguesas, que este ano se comemorou em Faro.
(Noticia: Observatório do Algarve)

Algarve: Termina maior enchimento de areia nas praias

A maior operação de sempre de enchimento de praias com areia, no Algarve, está concluída, tornou ontem público a Administração da Região Hidrográfica (ARH) do Algarve. Cerca de 1,25 milhões de metros cúbicos de areia foram depositados ao longo de cinco quilómetros de costa, entre Quarteira e Vale do Lobo, em seis meses.

De acordo com a ARH, "foi uma obra que decorreu de forma exemplar, que terminou alguns dias antes do prazo previsto [15 de Outubro]". A empreitada alargou a zona útil das praias em 30 a 45 metros. A areia foi dragada do fundo do oceano, de uma profundidade entre 20 e 30 metros, e colocada, na costa, através de um tubo com cerca de 600 metros de comprimento. Depois, foi espalhada através de outro emissário.
(Noticia: Correio da Manhã)

Orquestra do Algarve: ‘Notas’ do orçamento reforçadas e músicos com contratos

O orçamento anual da associação que gere a Orquestra do Algarve (OA) vai ser reforçado em 100 mil euros, para indemnizar alguns dos 28 músicos, em conflito há dois anos com a direcção. Só cinco não desistem do processo em tribunal. Ministério da Cultura dá mais 700 mil euros.

No verão de 2008, os músicos decidiram apresentar queixa contra a associação, reclamando contratos efetivos e o pagamento de cerca de 2 milhões de euros de indemnizações por dívidas relativas a subsídios e trabalho extraordinário.

O processo, que se arrastou até agora, chegou a colocar em risco a manutenção da orquestra, fundada em 2002 e composta por cerca de 30 músicos de mais de uma dezena de nacionalidades.

A maioria dos músicos envolvidos no conflito desistiu entretanto dos processos judiciais movido contra a Associação Musical do Algarve (AMA), mantendo-se apenas cinco processos e aqueles que ainda estavam a recibos verdes serão integrados nos quadros de pessoal da estrutura.

“A negociação levou a que já não fosse necessário continuar com os processos judiciais", disse aos jornalistas Gabriela Canavilhas, sublinhando que, dos 28 músicos em conflito, apenas cinco se mantêm ainda em negociações com a orquestra.

A ministra falava hoje na Universidade do Algarve à margem da cerimónia de apresentação das novas condições contratuais estabelecidas entre os músicos da OA e a Associação Musical do Algarve (AMA), que dirige a formação.

Segundo a governante, os músicos desistiram dos processos "em troca de condições contratuais que foram ao encontro das suas expetativas", não tendo sido necessário pagar a indemnização de 1,2 milhões de euros.

Gabriela Canavilhas reiterou que os músicos acordaram com a direção abdicar das exigências em troca de contratos de trabalho e de uma remuneração salarial justa e equiparada às das restantes orquestras do País.

Para que tal se concretize, o orçamento anual da orquestra (que ronda atualmente 1,5 milhões de euros) vai ser reforçado em 100 mil euros, montante repartido proporcionalmente entre os fundadores da formação musical algarvia.

O Ministério da Cultura, um dos maiores financiadores, vai passar a contribuir com mais de 700 mil euros anuais, disse Gabriela Canavilhas, frisando que os restantes fundadores também aumentarão no valor que atribuem à AO.

A ministra da Cultura aproveitou ainda para apelar ao "bom senso" dos cinco músicos que ainda não chegaram a acordo com a direção da orquestra, dois dos quais já não vivem em Portugal.
(Noticia: Observatório do Algarve)

HPP Saúde vence Prémio e-Saúde dos Hospitais do Futuro

Entre os vários premiados que este ano vão ser distinguidos com o Prémio Hospitais do Futuro, durante o VIII Fórum Hospitais do Futuro que terá lugar em Novembro, encontra-se o HPP Algarve (Algarve), vencedor do Prémio e-Saúde / Turismo e Saúde, que será recebido pelo presidente do Conselho de Administração, Paulo Neves.

Os prémios “Hospital do Futuro” vêm sendo atribuídos desde 2004/2005, resultantes de uma iniciativa conjunta do Fórum Hospital do Futuro e das organizações apoiantes e patrocinadoras desta importantíssima área, tendo como objectivo destacar e galardoar as pessoas e instituições que mais contribuíram para o desenvolvimento das organizações de Saúde em Portugal.

Este ano os prémios vão ser entregues no dia 29 de Novembro, no decorrer do VIII Fórum Hospital do Futuro, que se realizará na Faculdade de Ciências da Universidade de Lisboa.
(Noticia: Região Sul)

Faro: Avião aterra de emergência, com sucesso, devido a falha técnica

Um avião da companhia Transavia, com 60 passageiros a bordo, aterrou de emergência, com sucesso, no aeroporto de Faro, devido a uma falha técnica, informaram a ANA e a Protecção Civil local.

A aeronave, um Boeing 737-700, tinha descolado de Roterdão (Holanda) com destino a Faro.

Uma falha técnica obrigou o aparelho a aterrar de emergência, às 19:25 desta quinta feira, no aeroporto algarvio, apenas com um dos dois motores.

A aterragem decorreu sem problemas e as pessoas que seguiam a bordo, incluindo 60 passageiros, "estão bem", disse à agência Lusa o porta-voz da ANA - Aeroportos de Portugal, Rui Oliveira.

A fonte acrescentou que o avião voava com uma hora de atraso.

O comandante da Protecção Civil de Faro, Vaz Pinto, adiantou que, depois de ter sido dado o alerta, às 19:09, apenas foi necessário acionar os meios de "prevenção interna" do aeroporto.
(Noticia: Região Sul)

sexta-feira, 29 de outubro de 2010

Câmara deita barracas abaixo

«Funcionários da Câmara de Faro, protegidos por forte contingente da GNR, destruíram anteontem duas barracas no lugar da Avestruz, na freguesia do Montenegro, junto ao aeroporto. Uma família de etnia cigana, composta por nove pessoas (seis adultos e três crianças), está agora a habitar na única barraca que ficou de pé.

"O antigo presidente José Vitorino, em 2005, deu-nos autorização para morarmos aqui. Agora vieram de surpresa e nem deram tempo para aproveitar os materiais com que eram feitas as barracas. Foi tudo desfeito pelas máquinas", queixa-se José Amadeu da Silva, espantado com a força exibida: "Parecia uma batalha, tantos eram os GNR".

Na altura, Marina Montes, mulher de José Amadeu, doente crónica, teve uma crise de ansiedade e necessitou de ser transportada ao Hospital de Faro. "Foi uma cena indigna. Nem tiveram consideração pelas crianças", queixa-se José Amadeu, que não sabe como vai albergar todos num espaço tão reduzido.

"Não temos luz e a Fagar cortou a água das bicas onde nos abastecíamos. Somos farenses, sempre vivemos no concelho e o presidente Macário quer pôr-nos a dormir na rua", acusa.

Macário Correia, presidente da Câmara de Faro, explica que "a autorização concedida foi para uma barraca e que, neste momento, já lá estavam mais duas, que foram demolidas".»
(Noticia: Correio da Manhã)

A familia Amadeu é das mais antigas familias de etnia cigana a viver em Faro, nomeadamente no Montenegro, sendo que o patriarca da família e pai de José Amadeu que vive desde sempre numa barraca junto ao lado direito da estrada que dá acesso ao Montenegro é o grande responsável pelo facto de não existir no Montenegro a proliferação de barracas como ocorre em Faro. 

José Amadeu tem razão quando diz que foi o anterior Presidente de Câmara do PSD, José Vitorino, quem passou uma autorização para a sua familia ocupar um terreno municipal para viver. Tal como passou a outras familias, por exemplo junto à Horta da Areia e até nas traseiras do Teatro Municipal de Faro.

O que é curioso é que há cerca de dois/três anos a familia de José Amadeu deixou a barraca e alugou uma pequena casa onde viviam todos. O que se terá passado entretanto para que esta família tenha voltado a viver na rua?

Será que o Presidente da Câmara de Faro ou algum responsável da autarquia se interessou minimamente em saber que problemas enfrenta a familía Amadeu para ter deixada a casa que haviam alugado e regredido do ponto de vista da integração social e das condições de habitabilidade?

É que, mais uma vez, estamos a falar e a tratar de pessoas!

Saneamento ou Reequilíbrio Financeiro

«Berta Nunes, Presidente da Câmara de Alfandega da Fé, está convencida de que (o Plano de Saneamento Financeiro) será suficiente para resolver o problema das contas. Desta forma, não será necessário recorrer ao último e mais exigente mecanismo previsto na lei para este tipo de situações: um plano de reequilíbrio financeiro».
Berta Nunes, Presidente da Câmara Municipal de Alfandega da Fé

Outubro de 2009 - Outubro de 2010

Adriano Pimpão é mandatário de Cavaco Silva em Faro

«Adriano Pimpão, ex-reitor da Universidade do Algarve, será o mandatário distrital em Faro da recandidatura de Cavaco Silva à Presidência da República.

Em Faro, o mandatário distrital será o ex-reitor da Universidade do Algarve Adriano Pimpão, ex-secretário de Estado do Desenvolvimento Regional nos governos de António Guterres.

Adriano Pimpão mantém ainda a ligação à Universidade do Algarve como professor catedrático na Faculdade de Economia, onde leciona nas áreas de Economia e Finanças.»
(Noticia: Observatório do Algarve)

Mudam-se os tempos, mudam-se os amigos.

Em 2006, o mandatário de Cavaco Silva no Distrito de Faro era José António Silva, irmão da Presidente da Câmara Municipal de Silves, a social-democrata Isabel Soares, e presidente da Alicoop e da Alisuper empresa que foi este ano salva da falência no último minuto por intervenção da Caixa Geral dos Depósitos e do proprio Governo.

Agora, para 2010, Cavaco Silva escolhe o Prof. Adriano Pimpão, antigo candidato do PS à Assembleia Municipal de Faro que no último 10 de Junho recebeu das mãos do próprio Presidente da Republica, Cavaco Silva, a comenda da Ordem do Infante D. Henrique (Grande Oficial).

OE2011: Hospital Central do Algarve é prioridade garante Miguel Freitas

O lider do PS Algarve, Miguel Freitas, diz que, ao constar no protocolo de entendimento sobre o Orçamento de Estado com o PSD “a manutenção do projeto do Hospital do Algarve, que se encontra em fase concursal”, o Governo considera este equipamento prioritário.

“A proposta apresentada pelo Governo para um entendimento sobre o Orçamento de Estado, tem um valor simbólico para o PS Algarve, já que é claríssima na defesa da concretização do projeto do Hospital Central do Algarve”.

Para o deputado e líder do PS Algarve, esta menção expressa à manutenção da parceria público-privada nas negociações para o aprovação do OE, "confirma a determinação do PS nesta obra estruturante para a região nos prazos fixados, não se admitindo qualquer hipótese de reavaliação deste processo nem mesmo em sede da suspensão das parcerias público-privadas”.

Neste capítulo, o PSD propôs como uma das condições para aprovar o OE2011 que todas as parcerias público privadas (PPP) fossem alvo de avaliação, num prazo de seis meses, por uma comissão a formar futuramente, proposta que foi aceite pelo Governo, com a exceção dos projetos do Hospital Central do Algarve e do Hospital de Todos os Santos, ambos já em fase de concurso.

Recorde-se que as negociações entre o Governo e o PSD foram suspensas ontem, sem acordo, após cinco dias de negociações.

O líder socialista critica assim a posição do PSD, considerando que “não bastam declarações pomposas, mas sim clareza na apresentação de propostas”, pois o que fica expresso no processo negocial sobre o Orçamento “é que o PSD fez uma investida contra as novas parcerias público-privadas, sem precisar quais necessitariam de ser ou não avaliadas, ficando-se assim sem a garantia de que o Hospital Central fosse para a frente”.

O deputado salienta ainda que, na ótica do partido da oposição, “as parcerias da saúde seriam sujeitas à avaliação proposta, correndo o risco de ficar pelo caminho.

Neste contexto, Miguel Freitas apela ao PSD Algarve para que realize "um último esforço de empenhamento, que já demonstrou ter neste processo, junto da direção nacional do partido no sentido de a obra do Hospital Central do Algarve não ser incluida na reavaliação das parcerias público-privadas", no ambito das negociações do Orçamento.

Após a rutura das negociações, o Presidente da República convocou entretanto o Conselho de Estado, que deverá reunir hoje.
(Noticia: Observatório do Algarve)

Faro e Tavira acolhem a etapa final da maior acção de voluntariado empresarial em Portugal

O Projecto G.I.R.O – Grace, Intervir, Recuperar e Organizar, a maior acção de voluntariado empresarial em Portugal, reúne esta sexta-feira, dia 29, em Faro e em Tavira, uma centena de voluntários que, durante um dia, trocam o seu normal local de trabalho por instituições de solidariedade social algarvias, com o grande objectivo de “marcar a diferença” no terreno.

Esta acção constitui o culminar do mês GIRO, que arrancou com um workshop sobre como implementar uma acção de voluntariado empresarial a que aderiram cerca de 40 representantes de empresas, nomeadamente, gestores de recursos humanos, de comunicação e de sustentabilidade. A 5ª edição realizou também intervenções no terreno em Lisboa e no Porto, juntando um total de 500 voluntários.

A iniciativa do GRACE – Grupo de Reflexão e Apoio à Cidadania Empresarial – Associação – vai intervir com 100 voluntários no Instituto D. Francisco Gomes – Casa dos Rapazes, em Faro, e na Associação Uma Porta Amiga, em Tavira, duas instituições que acolhem, educam e integram na sociedade crianças e jovens carenciados.

Durante um dia de trabalho, os voluntários vão realizar acções de reabilitação dos espaços e equipamentos sociais, designadamente, criação de hortas pedagógicas, colocação de vedação, montagem de equipamentos, limpeza de espaços verdes e pintura de paredes e muros, numa iniciativa que, será apoiada por técnicos competentes na matéria, nalguns casos quadros das empresas associadas do GRACE.

O Projecto G.I.R.O. tem como principal objectivo a melhoria da qualidade de vida de grupos em risco de exclusão, enquadrados em zonas socialmente deprimidas ou em instituições de acolhimento, através de acções de requalificação e criação de espaços comunitários.

Segundo Conceição Zagalo, Presidente da Direcção do GRACE e participante em todas as edições anteriores, “o G.I.R.O. 2010 representa um salto qualitativo, já que envolve um número significativamente maior de empresas, de voluntários e de organizações. De facto, não há melhor forma de contribuir para o desenvolvimento da sociedade portuguesa, principalmente em tempo de maior instabilidade, do que juntar esforços, energia e positividade ao serviço dos outros”.

O GRACE conta hoje com 78 associados, de diversos quadrantes da actividade económica e social, tais como empresas, fundações ou associados individuais, alguns deles a título honorário, em resultado de reconhecimento público feito no dia do 10º aniversário do GRACE, comemorado a 25 de Fevereiro de 2010.
(Noticia: Algarve Noticias)

Taça da Liga

Resultados das equipas algarvias na primeira-mão da segunda fase da Taça da Liga:

Oliveirense / Olhanense – 1/0

Desportivo das Aves / Portimonense – 3/2

quinta-feira, 28 de outubro de 2010

Polis alicia pescadores a abandonar a Ilha de Faro

«Ir para a cidade, para perto do aeroporto, ficar em casas de madeira ou saírem para Quarteira. São quatro as hipóteses dadas aos pescadores da Ilha de Faro, mas apenas uma os mantém no local onde sempre viveram.

A vida na pesca não está a ficar mais fácil e o caso, para os pescadores da Ilha de Faro, é que ‘o mar está feito num cão’. Pelo menos, a avaliar pelo futuro que parece esperá-los, que pode passar por terem de abandonar a ilha onde muitos sempre viveram.

“Eles propuseram-nos deixar as casas, quem quisesse ia para o Parque de Campismo, em casas de estacaria, ir para Faro, quem quisesse ir para Quarteira o presidente da Câmara disse que arranjava ou então para o Parque de Estacionamento novo”, afirma o porta-voz dos pescadores da Ilha.

Na ilha de Faro há mais de 120 casas que os pescadores garantem ser de primeira habitação, mas no âmbito do processo de requalificação por diversas vezes anunciado, a sociedade Polis está à procura de soluções que para já não comenta nem desvenda publicamente.

Os pescadores souberam-no em Julho, altura em que a sociedade Polis apresentou aos pescadores da Ilha de Faro as quatro propostas de localização, que só esta semana foram vagamente afloradas por um dos elementos na oposição, da Câmara Municipal de Faro, José Vitorino, do movimento Autarcas com Faro no Coração.

“É um escândalo e uma vergonha. A Ilha de Faro era de pescadores que habitavam na zona central. Na década de 50, o poder público obrigou-os a irem para os extremos nascente e poente. Agora, querem demolir as casas e expulsá-los da Ilha", acusou o movimento autárquico liderado por José Vitorino.

Para já Carlos Flor, presidente da Associação para a Defesa e Desenvolvimento da Praia de Faro, garante que apenas 10 pescadores terão acedido às intenções da Sociedade Polis Litoral da Ria Formosa, responsável pelos trabalhos de ordenamento e requalificação da Praia de Faro.

Mas Carlos Flor avisa que o tratamento não foi igual para todos. “A parte poente da ilha tem 86 casas de primeira habitação, só quarenta é que estavam na lista para realojamento”, confidencia. “Já do lado nascente, de um total de 43 só 19 ou 20 é que estavam e muitas pessoas foram notificadas outra vez para esclarecerem dúvidas da Polis, porque não estavam em casa quando foram lá”, acrescenta.

Quanto à saída da ilha, o porta-voz dos pescadores ironiza: “Estão sempre a falar do habitat dos passarinhos, então e o nosso habitat, há pessoas que foram criadas aqui e que têm hoje 90 anos, como é que ficam?”, questiona.

A Sociedade Polis Litoral Ria Formosa não quis prestar esclarecimentos, considerando “não ser oportuno”.»
(Noticia: Observatório do Algarve)

Há nesta noticia ‘um grito de dor’ cujas entidades oficiais, Câmara Municipal de Faro e Sociedade Polis, obcecadas que estão pelo seu modelo de planeamento autoritário, se revelam incapazes de ouvir.

Na Ilha de Faro estão pessoas. Há Homens e mulheres, na sua maioria pescadores, muitos dos quais sempre ali viveram. Confundir isto com casas de férias de Verão é não entender nada.

A ausencia de diálogo e de participação democrática, faz lembrar um falido modelo de planeamento de direcção central, em que uns poucos, dispunham sobre a vida dos outros e decidiam a seu belo prazer sobre a alocação dos recursos públicos.

Ás dúvidas e aos receios justificados dos pescadores, que de um momento para o outro são confrontados com a ameaça de deixar as suas casas e, eventualmente, até mudar de cidade, responde a Sociedade Polis, com o silêncio dos despotas, ‘não é oportuno falar sobre o assunto’.

Parece que a Sociedade Polis, com a cumplicidade da Câmara de Faro, transformou-se num ‘Gosplan’, esquecendo-se que em democracia os cidadãos têm direitos.

Saneamento ou Reequilíbrio Financeiro

«No sector das Taxas, Multas e Outras Penalidades, o Município irá proceder, com base na fundamentação económico-financeira, que serviu de base ao recentemente aprovado Regulamento de Taxas e Preços do Município de Seia, à revisão do valor das taxas a aplicar, com o intuito de “promover a arrecadação de maior volume de receitas”.»
Carlos Filipe Camelo, Câmara Municipal de Seia

Outubro de 2009 - Outubro de 2010

quarta-feira, 27 de outubro de 2010

PS Faro acusa executivo de Macário Correia de aumentar dívida

«O PS/Faro disse hoje que durante o primeiro ano de mandato do executivo liderado por Macário Correia as dívidas do município aumentaram 14 por cento, de 27 milhões para 31 milhões de euros.

A concelhia do PS Faro analisou documentos facultados pelo município relativos ao plano de reequilíbrio financeiro, que vai ser votado em Assembleia Municipal dia 03 de novembro, e concluiu que “a faturação/dívida da câmara PSD neste ano de mandato teve um aumento de cinco milhões”.

João Marques, vereador socialista da Câmara de Faro, refere que em 2009 a dívida do município era de 27 milhões de euros e que, a dois meses do fim de 2010, é de "31,286 milhões de euros”.

O PS Faro afirma ainda que depois de ter tido acesso aos documentos facultados pelo município, verificou que "os encargos com pessoal tiveram um aumento de cerca de um milhão de euros", um crescimento que se pode explicar, por exemplo, com gastos em indemnizações ou o aumento do número de vereadores (mais dois em relação ao anterior executivo, liderado pelo PS), argumentou o líder da oposição na Câmara de Faro.

“Fica demonstrado que o atual executivo não conseguiu gerir as contas da câmara, e não conteve a despesa, razão de vir só agora propor um plano de reequilíbrio financeiro", disse João Marques, recordando que Orçamento da Câmara de 2009 era de um total de "74 milhões de euros", e que em 2010 passou para "98 milhões de euros”.

O PS Faro ainda não decidiu que posição vai tomar em Assembleia Municipal, mas garante que vai ter sempre presente "os problemas e ajudas aos que mais necessitam”.

Segundo os socialistas, o plano de reequilíbrio que propõe um empréstimo de 48 milhões de euros, tem como perspetiva o "pagamento a 20 anos com um spread que obrigará a câmara a pagar 102 milhões de euros até fim do contrato, o dobro do recurso”.»
(Noticia: Observatório do Algarve)

Aos poucos vamos conhecendo os resultados da gestão financeira da actual maioria de direita na Câmara de Faro e, tal como Aquiles, também Macário Correia parece ter um calcanhar muito fraco. Afinal, contra toda a propaganda oficial, a despesa corrente aumentou durante o ano de 2010 (que ainda não acabou) bem como a despesa com pessoal.

Assalta-nos agora uma pergunta e uma dúvida para as quais urge encontar resposta.

Sabendo que a Câmara de Faro dispensou vários trabalhadores e outros transferiu para a FAGAR, cortou os apoios aos clubes desportivos, suspendeu unilateralmente os protocolos de ajuda financeira com as instituições sociais, reteve parte das verbas das associações culturais, acabou com o programa Faro Solidário que efectuava gratuitamente pequenas reparações nas habitações de familias carenciadas - particularmente idosos, pôs termo ao regulamento de apoio à renda dos agregados em situação de ruptura financeira, reduziu o número de operários e auxiliares nas escolas do Concelho…

Com todos estes cortes na dimensão social da Câmara de Faro como é que a despesa corrente e com pessoal aumentou em 2010?

Onde está a maioria de direita a gastar o dinheiro que retirou dos apoios sociais e dos programas de apoio às pessoas mais desprotegidas, às familias mais carenciadas, às instituições sociais e às escolas do Concelho?

Saneamento financeiro bastava à Câmara de Faro, diz Apolinário

«A situação financeira da Câmara de Faro resolvia-se apenas com uma operação de Saneamento Financeiro, mais leve que o já aprovado Plano de Reequilíbrio, uma vez que “não é estrutural, mas sim conjuntural”, defendeu José Apolinário.

O ex-presidente da Câmara de Faro, agora vereador da oposição na autarquia, justificou num comunicado o facto de se ter abstido na votação do Plano de Reequilíbrio Financeiro, submetido pelo executivo de Macário Correia a votação em Reunião de Câmara, na passada semana.

José Apolinário disse acreditar que a situação atual, considerada como sendo muito grave pelo atual presidente da Câmara, “é conjuntural porque o endividamento do Município de Faro é o resultado da simultaneidade e concentração num curto período de tempo de várias obras, de decisões e responsabilidades financeiras tomadas anteriormente a 2005, num quadro legal diferente”.

Este enquadramento legal foi “profundamente alterado com a mais recente legislação de finanças locais, a que acresce uma crise internacional e uma forte retração no crédito, no mercado imobiliário e na construção civil, com menos licenças, loteamentos e receitas municipais”.

“Ou seja, no quadro da anterior Lei das Finanças Locais, sem a consolidação de contas das empresas municipais, o quadro financeiro do Município de Faro seria bem diferente. Como também o seria se na Assembleia Municipal tivessem sido aprovadas as diversas propostas do lado da receita”, disse José Apolinário.

O vereador do PS acredita que o executivo de Macário Correia não usou todos os instrumentos legais à sua disposição, nomeadamente no que toca às dívidas do Mercado Municipal e à Sociedade Polis da Ria Formosa, “em coerência com a sua posição de avançar para o reequilíbrio financeiro”.

Acusou ainda o atual executivo de ter “aumentado as despesas com pessoal (…), substituindo cargos dirigentes, aumentando o número de vereadores ou de equiparados a vereadores nas empresas municipais”.

Do lado da receita, José Apolinário sugeriu a criação de um Fundo Imobiliário, como o que será criado em Portimão, bem como a alienação de património, sugerindo vários terrenos e imóveis.

“Finalmente, uma opção pelo saneamento financeiro reforçaria o papel da Assembleia Municipal: pelo contrário, avançar para o reequilíbrio financeiro do Município vai reforçar e centralizar ainda mais o poder na pessoa do presidente do Executivo, com o esvaziamento da capacidade de intervenção da Assembleia Municipal, onde a coligação PSD/PP/PT/MIM não dispõe de maioria”, acrescentou.»
(Noticia: barlavento)

Começa a ficar claro que existe mais do que um caminho para a resolução do problema financeiro da Câmara de Faro que resulta, em grande medida, das opções tomadas pelo PSD no mandato de 2001 e 2005 e pela entrada em vigor da nova Lei das Finanças Locais que obrigou em 2008 à consolidação das dívidas das empresas municipais nas contas da Câmara de Faro o que provocou a violação do limite legal de endividamento.

Sem por em causa a legitimidade de quem ganhou as eleições poder escolher a seu percurso, ainda que o PSD preponha hoje os aumentos de impostos e taxas que no anterior mandato sempre votou contra, a intervenção de José Apolinário desmistifica a inevitabilidade do reequilíbrio financeiro.

A verdade é que muitas outras autarquias no país, que como Faro também cumprem formalmente os critérios de desequilíbrio financeiro, estão a preparar soluções (fundos imobiliários, fundações e outras) para evitar a adopção de planos de reequilíbrio mais penalizadores para os municípes e para o desenvolvimento das suas comunidades que os planos de saneamento financeiro.

A actual maioria de direita quer, por que quer, o reequilíbrio e nem tentou estudar outras soluções. Escolheu, por ventura, a opção politicamente mais simples mas também a que exige maior esforço financeiro aos farenses.

Como esta opção se irá repecutir e ser paga ao longo dos próximos 20 anos é bom para a democracia que se registe que havia outras opções e outros caminhos.

Faro é uma das sete autarquias algarvias na lista dos piores pagadores


«Olhão, Portimão, Vila do Bispo, Tavira, Faro, Lagoa e Lagos estão entre as 161 autarquias do país que no 2º trimestre de 2010 demoravam mais de 90 dias a pagar aos fornecedores. Lei obriga a juros de mora a partir de 1 de Setembro.

Segundo uma lista da Direção geral das Autarquias Locais (DGAL) de nível nacional, por ordem dos que são piores pagadores, Olhão é a primeira autarquia algarvia mencionada, em 25º lugar.

O município olhanense acertava as suas contas com fornecedores num prazo médio de 274 dias no segundo trimestre de 2010, duração que se tem vindo a agravar já que em 2008 eram 59 dias, período que se dilatou para 196 dias em 2009 (média geral dos anos).

Portimão demorou no segundo trimestre de 2010, em média, 272 dias a regularizar pagamentos seguindo a mesma tendência: Os 97 dias de 2008 foram alargados para 187 em 2009 (média anual).

Em Vila do Bispo, aos 218 dias de prazo médio no segundo trimestre de 2010, correspondiam 6 dias na média geral anual de 2008 e 83 dias em 2009.

Para Tavira a lista da Direção geral das Autarquias Locais (DGAL) refere que no último semestre listado, de Abril a Junho de 2010, a autarquia demorava em média 170 dias a pagar, menos cinco dias que no anterior trimestre. Quanto a médias anuais, em 2008 o atraso era de 123 dias em 2009 e de 16 dias em 2008.

No que toca a Faro, a capital do Algarve tem um atraso de 144 dias na regularização das dívidas aos fornecedores no segundo trimestre de 2010, mais 37 dias do que no primeiro trimestre deste ano. Relativamente à média geral dos anos de 2008 e 2009 era, respectivamente, de 88 e 98 dias.

Lagoa saltou para os 136 dias para os pagamentos no segundo trimestre de 2010, mais 30 do que nos primeiros 3 meses do ano. E entre 2008 e 2009 a média geral do prazo de pagamento cresceu de 19 para 74 dias.

Quanto a Lagos, pode-se dizer que foi dos nove para os noventa. O prazo médio de pagamento do segundo trimestre de 2010 foi de 93 dias, enquanto em 2008 era de 9 dias e em 2009 a média geral anual cifrou-se em 62 dias.

Recorde-se que até 31 de agosto deste ano, as autarquias tinham 90 dias para pagar a fornecedores, mas a partir de 1 de Setembro passado o Estado - incluindo autarquias, regiões autónomas, institutos ou empresas públicas - tem 30 dias para pagar ou um prazo de 60 dias caso isso fique escrito em contrato público.

Desde a mesma data que estas entidades públicas são obrigadas a pagar juros de mora se atrasarem o pagamento em dinheiro aos fornecedores, mesmo que não tenham assinado um contrato.

No final de dezembro de 2009, o prazo médio de pagamento a fornecedores das autarquias portuguesas era de 108 dias, o que correspondeu a um agravamento de 40 por cento relativamente ao ano anterior.

A lista do prazo médio de pagamentos é aferida segundo um indicador, a partir dos fatores que foram reportados pelas autarquias à DGAL, relativos a determinado período.

No cômputo nacional, o município de Castanheira de Pêra, que tardava então quase dois anos e meio (901 dias) a pagar, liderava a lista das autarquias que ultrapassavam o prazo de 90 dias que a lei estipula para pagamento de dívidas a fornecedores.

Demoravam mais de um ano a pagar a fornecedores os municípios de Povoação (713 dias), Mondim de Basto (654), Celorico da Beira (531), Alfândega da Fé (504), Alandroal (471), Aveiro (453), Câmara de Lobos (405), Chamusca (370) e Cartaxo (366).

Alfândega da Fé, que no final de 2009 encimava esta lista com a demora de 740 dias a pagar, tem vindo a pagar mais rapidamente, demorando agora 504 dias. No sentido inverso corre Aveiro, a autarquia que em setembro de 2009 demorava 30 dias a pagar e que, segundo esta lista, demora agora 453 dias.»
(Noticia: Observatório do Algarve)

A actual maioria de direita na Câmara de Faro não se cança de apregoar sucessos e milagres na gestão da autarquia mas as noticias e os dados oficiais que aos poucos vamos conhecendo demonstram que a realidade é bem diferente daquela que nos pintam.

Saneamento ou Reequilíbrio Financeiro

“ Vamos constituir um Fundo imobiliário. Não podemos ignorar as condições do mercado e a alienação de património seria muito desfavorável para as finanças municipais. A criação de um fundo tem duas vantagens : colocar o património a melhor preço e , simultaneamente, teremos uma participação no fundo para ser possível rentabilizar, a prazo, essa participação”
António Costa, Presidente da Câmara Municipal de Lisboa

Outubro de 2009 - Outubro de 2010

Faro acolhe campanha “Saiba o que lhe vai no peito”

A cidade de Faro acolhe hoje a campanha de sensibilização “Saiba o que lhe vai no Peito”, uma iniciativa que tem como objetivo dinamizar e promover a saúde da mulher, reforçando a importância do rastreio mamográfico.

Faro é a 15ª cidade a receber a campanha. A iniciativa decorrerá no Jardim Manuel Bivar, junto à Doca de Faro, às 10h00.

Da responsabilidade da Associação de Mulheres Mastectomizadas – “Ame e Viva a Vida”, a campanha é dirigida a todas as mulheres e pretende incentivar e ensinar a prática do autoexame, assim como sensibilizar para a importância da realização de mamografias periódicas, a cada um ou dois anos, nas mulheres dos 50 aos 69 anos, de acordo com o Plano Nacional de Prevenção e Controlo de Doenças Oncológicas.

Neste âmbito e em colaboração com as Administrações Regionais de Saúde de todo o país, uma equipa constituída por duas mulheres mastectomizadas, duas enfermeiras e, por vezes, um médico viajam pelo país nas próximas semanas, com um único objetivo: prestar todo o apoio e ajuda necessárias às mulheres portuguesas, sensibilizando Portugal para a importância do rastreio e do autoexame mamário.

Qualquer mulher pode desenvolver cancro da mama, aumentando este risco a partir dos 40 anos e se existir um familiar de primeiro grau com cancro da mama.

Segundo as estatísticas nacionais, em cada ano em Portugal há cerca de 5000 novos casos de cancro da mama – de duas em duas horas é diagnosticado um cancro - e a taxa de mortalidade associada a este problema de saúde pública ronda as 1500 mulheres por ano.

Um autocarro de grandes dimensões em tons de rosa, irá percorrer Portugal até ao dia 30 de Outubro, no qual as mulheres poderão aprender a efetuar o autoexame e recolher informações úteis e conselhos que as ajudarão a estar alertas para o cancro da mama.

Trata-se de um espaço com todas as condições de privacidade, anonimato e higiene.

A campanha de sensibilização termina na capital, no dia 30 de Outubro, Dia Nacional da Prevenção do Cancro da Mama, com a realização de um logótipo humano em tons rosa com o formato do mapa de Portugal, reforçando a mensagem de toda a campanha “Saiba o que lhe vai no Peito”.
(Noticia: barlavento)

terça-feira, 26 de outubro de 2010

Faro: Arrumadores vão ter licenças

«Os arrumadores de carros de Faro vão ser obrigados a ter uma licença da câmara e só poderão exercer a actividade em áreas definidas. O projecto de regulamento já foi aprovado pela autarquia, mas terá ainda de ser votado pela assembleia municipal, o que deve acontecer em Dezembro.

Antes da atribuição de licenças, a câmara irá determinar as áreas onde pode ser exercida a actividade e o número de arrumadores em cada uma. Os interessados terão de apresentar um requerimento onde, entre outros dados, deverá constar o certificado de registo criminal e um termo de responsabilidade.

As licenças serão renovadas todos os anos e, em qualquer momento, podem ser revogadas por incumprimento das regras ou inaptidão do titular.

Os arrumadores ficam proibidos de exercer a actividade fora da área que lhes for destinada e não poderão solicitar qualquer pagamento aos condutores, só podendo aceitar contribuições voluntárias.

O regulamento prevê multas de 60 a 300 euros para os arrumadores sem licença ou que se encontrem fora do local atribuído, bem como por falta de cumprimento das regras da actividade.

A falta de exibição das licenças às entidades fiscalizadoras implica uma multa de 70 a 200 euros. As coimas podem ser substituídas pela prestação de trabalho a favor da comunidade.»
(Noticia: Correio da Manhã)

José Vitorino acusa Câmara de Faro e Polis de pretenderem expulsar pescadores da Praia de Faro

O antigo presidente da Câmara de Faro do PSD acusa a actual maioria de direta da autarquia e a Sociedade Polis de quererem expulsar os pescadores da Praia de Faro e acabar com a actividade psicatória, ao recorrerem a ‘aliciamentos’ para os pescadores irem viver para Quarteira e outros locais.

José Vitorino considera esta atitude “um escândalo e uma vergonha”, adiantando que “a Ilha de Faro era de pescadores que habitavam na zona central. Na década de 50, o poder público obrigou-os a irem para os extremos nascente e poente. Agora, querem demolir as casas e ‘expulsá-los’ da Ilha! É uma conduta absolutamente inaceitável, gravemente lesiva dos interesses de Faro, em termos económicos, sociais e culturais.”

Em comunicado o Movimento Autarquico Independente ‘Com Faro no Coração’ considera que “o incremento das atividades piscatórias em Faro tem de ser um objetivo estratégico para a Câmara no âmbito do programa Polis”. Porém, denunciam, “está a suceder o inverso, implicando a manobra em curso uma forte machadada no já débil tecido produtivo do Concelho”.

Para o movimento “a Câmara de Faro e a Polis, Sa estão tão obcecados em avançar com as demolições, que o querem fazer à custa do fim da pesca”.

Recordando que sempre “reivindicou uma aposta forte no apoio ao setor e aos homens do mar”, José Vitorino denuncia que “à exceção da Culatra com o novo porto de abrigo, são cada vez maiores as limitações e falta de apoios, na Ria Formosa, nos diferentes núcleos e zona ribeirinha da Cidade”, concluindo que agora “é a pesca que está em risco na Ilha de Faro”.

Face ao presente escândalo, o ‘Movimento Com Faro no Coração’ apela à Câmara para “assumir as suas responsabilidades na defesa do setor e do Concelho”.

Saneamento ou Reequilíbrio Financeiro


«Apesar de complicada, a situação da Câmara de Portimão até não é das piores no panorama nacional. De tal forma que os critérios do Tribunal de Contas permitem-nos optar por um Plano de Saneamento Financeiro e não por um de Reequilíbrio, que é mais gravoso»
Manuel da Luz, Presidente da Câmara Municipal de Portimão

Outubro de 2009 - Outubro de 2010

OE2011: PSD/Algarve acusa PS de confundir iniciativa política com bloqueio de investimentos públicos

O PSD/Algarve acusou hoje o PS de confundir uma iniciativa política com o bloqueio de investimentos públicos ao sugerir que a proposta dos sociais-democratas para viabilizar o Orçamento de Estado pode ameaçar o avanço do hospital central do Algarve.

O líder do PS/Algarve, Miguel Freitas, criticou quinta feira a proposta de suspender as parcerias público-privadas apresentada pelo PSD para viabilizar o Orçamento de Estado para 2011, por considerar que ameaça a construção do hospital.

O socialista acusa os opositores de fazerem uma proposta “redonda” e “cega” sobre a suspensão das parcerias público-privadas, “sem nenhuma distinção” e “sem atender a nenhum critério de prioridade”.

Os sociais democratas dizem, por seu turno, que o lançamento desta questão “não é mais do que uma forma de encobrir o não cumprimento de uma velha promessa” do PS de iniciar até 2009 as obras do Hospital Central do Algarve.

“É lamentável que o PS confunda uma iniciativa política, de responsabilidade e de cautela com as contas públicas, com o bloqueio a tão importante investimento público”, afirmou hoje em comunicado a Comissão Política Distrital do PSD/Algarve.

Para os sociais democratas “em vez de se retratar pelas promessas não cumpridas no Algarve”, o PS aproveita um expediente político “lamentável e populista” para confundir as preocupações, que deveriam ter com as contas públicas do País.

Segundo o PSD/Algarve, o partido não defende acabar “pura e simplesmente” com as parcerias, mas sim que sejam reavaliadas nos próximos seis meses para que se encontre condições “para fazer avançar aquelas cujo interesse público é inequívoco”.

“Estamos certos que a construção do Hospital Central do Algarve estará inscrita naquelas que são imprescindíveis, até porque o PSD não confunde estradas com hospitais", concluem.
(Noticia: Região Sul)

Judiciária detém núcleo duro de gangue suspeito de assaltos a residências e veículos no Algarve

Cinco homens, portugueses e brasileiros, entre os 28 e os 45 anos, foram detidos, na quinta-feira, em Faro, por suspeita da prática de vários roubos cometidos durante os últimos meses, na sua maioria em zonas situadas a norte da capital algarvia.

Um dos capturados nesta operação desencadeada por investigadores pertencentes à Diretoria do Sul da Polícia Judiciária (PJ) é um indivíduo conhecido por «Boss», que selecionava os alvos a assaltar, os quais poderiam variar entre residências, estabelecimentos comerciais, pessoas ou viaturas.

A PJ refere, em comunicado, que, após escolher os alvos, “delineava o modo de actuação, arregimentava executores e distribuía tarefas”. Quando foi detido, “fazia-se transportar numa viatura topo de gama e trazia três pistolas e um revólver”.

Segundo informações recolhidas pelo barlavento.online, o «Boss» será um homem de nacionalidade portuguesa, ligado ao setor da construção civil no Algarve.

Embora as vítimas fossem sequestradas nas suas moradias, ao que se sabe pelo menos nos últimos assaltos o bando não terá atuado com muita violência.

Os cinco elementos agora detidos constituem o núcleo duro daquele gangue e estão indiciados pela co-autoria de assaltos a residências, embora em alguns dos crimes se encontrem referenciados outros comparticipantes.

Na sequência de buscas efectuadas, foram encontrados uma caçadeira de canos cerrados e alguns objetos roubados.
(Noticia: barlavento)

Taça de Portugal: Olhanense e Portimonense defrontam dois 'ossos duros de roer'

O sorteio para a quarta eliminatória da Taça de Portugal em futebol ditou o encontro do Portimonense e do Vitória de Guimarães e do Olhanense com o Nacional. Presidentes admitem ao OdA que vão ser encontros difíceis.

O Olhanense vai ter de defrontar o Nacional, mas a equipa algarvia recebe os adversários da Madeira em casa, algo que poderá ser importante para o desfecho do encontro, diz ao Observatório do Algarve Isidoro Sousa, presidente do Sporting Clube Olhanense.

É bom jogarmos em casa, porque nos sorteios tem-nos calhado sempre fora", comenta, realçando o valor da equipa madeirense. "É uma equipa difícil, por ser do nosso escalão, são duas equipas da 1ª Liga, mas o nosso reduto é sempre importante e a equipa está a atravessar um bom momento", constata.

Apesar da derrota recente por 3-1 com o Braga, que Isidoro explica com a ausência por lesão de médios defensivos, o responsável da equipa que agora está em 6º lugar no campeonato acredita que a Taça vai ser diferente. "Ainda agora neste jogo lesionámos o último médio que ainda não estava lesionado e penso que isso influenciou o resultado, mas o plantel é equilibrado e o mister certamente vai ter soluções", acrescenta.

Já o Portimonense, que após uma boa exibição frente ao Benfica se encontra no 13º posto da geral do Campeonato, na Liga Zon Sagres, vai ter de receber também em casa – mas por enquanto ainda no Estádio Algarve – o Vitória de Guimarães, equipa que Fernando Rocha, presidente do clube alvinegro, considera ‘muito difícil’.

“É uma equipa de outro campeonato, que não é o nosso, mas tinha de nos calhar algum clube...”, desabafa. “No entanto, depois deste fim-de-semana e da excelente exibição que fizemos contra o Benfica a equipa ficou a saber que tem capacidade para se bater no jogo, ombro a ombro com os melhores”, afirma.

“Penso que é uma grande equipa e que vão ser criadas condições para uma grande festa no Estádio Algarve”, conclui, esperando uma ‘boa casa’ a 21 de Novembro, frente à equipa de Guimarães.
(Noticia: Observatório do Algarve)

segunda-feira, 25 de outubro de 2010

Faro: O segundo fôlego

O Presidente da Câmara de Faro que até agora tinha optado por atribuir a responsabilidade pelo peso excessivo das dívidas da autarquia à anterior gestão do PSD mudou de estratégia.

A tal facto não deve ser alheio o voto dos vereadores do PS na Câmara de Faro (abstenção) sobre a proposta de reequilíbrio financeiro e o aumento generalizado de todos os impostos e taxas municipais, e a sua convicção de que não haverá alteração da posição dos socialistas na Assembleia Municipal. Conquistado o voto e viabilizado o plano passou ao ataque.

Na sua crónica de domigo no Correio da Manhã o lider da coligação “Faro está Primeiro” aponta novos culpados pela difícil situação financeira da autarquia: “Na nossa Câmara Municipal, de 2002 a 2009, falou-se de grandes sucessos e omitiram-se muitas dívidas, algumas grandes e dispensáveis. Agora, temos de pagá-las com juros altos, mesmo muito altos. Iremos passar anos a pagar dívida quando falta dinheiro para ajudar os desfavorecidos, pobres e desempregados”.

Está delineada a estratégia. A coligação de direita vai atribuir as culpas ao PS e vitimizar-se até ao fim dizendo que se mais não faz é por culpa do Plano de Reequilíbrio Financeiro que até foi viabilizado pelos socialistas farenses.

Depois de um ano terrivel, sem obra, com critica generalizada à sua actuação autoritária e uma gestão que, ao contrário do que afirma, não foi capaz de conter a despesa da Câmara, pelo contrário, aumentou as despesas com pessoal e as despesas correntes, a viabilização socialista do Reequilíbrio Financeiro e do aumento das taxas e impostos abriu a Macário Correia uma nova janela de oportunidade política.

É o segundo fôlego do PSD.

Saneamento ou Reequilíbrio Financeiro


«O IMI (Imposto Municipal sobre Imóveis) vai continuar na taxa máxima. Também na taxa máxima vai continuar o lançamento da Derrama sobre o lucro tributável sujeito e não isento de imposto sobre o rendimento de pessoas colectivas (IRC), o Município compromete-se a manter as taxas máximas enquanto o plano estiver em vigor. As alterações mais significativas deverão surgir nos impostos indirectos, que resultam da aplicação de taxas aos agentes económicos, nomeadamente empresas e particulares com actividades em nome individual, “serão definidas novas taxas a aplicar aos agentes económicos que permitam aumentar significativamente as receitas de impostos indirectos”.»
Carlos Filipe Camelo, Presidente da Câmara Municipal de Seia

Outubro de 2009 - Outubro de 2010

Portagens: Líder do PS Algarve quer Comunidade Intermunicipal do Algarve a falar com Passos Coelho

Miguel Freitas, líder do PS/Algarve, considera que a Comunidade Intermunicipal do Algarve (AMAL) deve pedir “uma reunião com o líder do maior partido de oposição” para discutir a questão das portagens na Via do Infante.

“Respeitem o Algarve, oiçam os nossos autarcas” apelou Miguel Freitas, considerando que após a reunião solicitada ao primeiro ministro José Sócrates, a Comunidade Intermunicipal do Algarve-AMAL, que reúne os 16 autarcas algarvios, deve "tomar iniciativa semelhante" junto do presidente do PSD.

“A cobrança de portagens foi decidida quando o PSD impôs o pagamento universal e o Governo acordou, pelo que este é um passo que deveria ser dado” defendeu o também deputado.

Admitindo ter “perdido a batalha das portagens” Miguel Freitas garantiu no entanto que os socialistas algarvios “não deixarão de lutar até ao momento em que as portagens forem introduzidas”.

Miguel Freitas confessou ainda que “os deputados socialistas do Algarve lutaram por isso, mas foi o país inteiro a dizer «se pagamos, porque não há-de o Algarve pagar» “, mas continua a manter “a esperança” de ainda haver posições que podem ser ganhas, na Via do Infante pelos algarvios.

O líder regional dos socialistas aproveitou ainda para pedir ao Governo “contenção nas palavras”, numa matéria tão sensível.

Sem o mencionar, o deputado criticava assim a posição do ministro das Obras Públicas António Mendonça, que na sua deslocação ao Algarve na sexta feira disse que "a introdução de portagens nas restantes autoestradas chamadas SCUT acorrerá até 15 de abril de 2011 e quando se diz que é até, quer dizer até", admitindo que a data pode ser antecipada.

Miguel Freitas falava no XVIII congresso da Federação do PS/Algarve que decorreu ontem em Olhão, onde propôs um pacto com a “Geração 30”, apresentado para a Comissão Política 30 membros com idades inferiores a 40 anos, como um sinal de confiança e rejuvenescimento dos socialistas algarvios.

“Esta é uma geração com horizontes, mas vive com uma grande ansiedade para poder vencer. Nunca a ninguém se exigiu tanto quanto a competências e nunca a ninguém se deu tão poucas condições de trabalho em termos de precaridade e reconhecimento. Esta é uma geração que carece ser ouvida. É o que pretendemos, objectivo pelo qual nos vamos empenhar”, frisou o líder regional dos socialistas no seu discurso de encerramento.

Os 224 delegados eleitos pelas secções concelhias do PS reunidos no auditório do Parque Natural da Ria Formosa na Quinta de Marim em Olhão aprovaram por unanimidade a moção estratégica “Por um Compromisso renovado” apresentada pelo presidente da Federação e elegeram por 187 votos a favor, 2 nulos e 15 brancos a Comissão Política, de 71 membros.

A Comissão de Jurisdição obteve 190 votos a favor, um nulo e 16 brancos, enquanto a Comissão de Fiscalização Económica e Financeira reuniu 191 votos a favor, dois nulos e 14 votos brancos.

O ciclo eleitoral das Federações socialistas conclui-se com a escolha do Secretariado, um órgão executivo, na primeira reunião da Comissão política, da qual emanam os seus cinco a nove membros, eleitos por proposta do presidente.

Surgiram ainda nove moções sectoriais, designadamente no âmbito da segurança, saúde, ordenamento do território e bem estar social.

Entre os convidados estavam representantes de ambas as centrais sindicais – UGT e CGTP – presenças saudadas tanto pelo líder regional do PS, como pelo representante da direcção nacional, o deputado João Soares.
(Noticia: Observatório do Algarve)